Ícone do site Sechat

Diários de Doutorado – 015

Noite. Eu, encostado numa parede sendo fotografado pela lateral. Estou olhando para a câmera. Sorrio. Estou de calça jeans simples, camisa de manga comprida longa. A parede compõe um conjunto de casebres antigos e baixos.a rua é de pedras, muito antiga e irregular. A rua termina numa igreja simples. Todas as paredes são brancas.

A verdade é que eu não faço muitos diários de doutorado por aqui pois tenho preguiça de escolher imagens novas minhas para ilustrar o post. Eu não sou uma pessoa de muitas selfies. Dito isso, acho que vou colocar só uma foto daqui para frente. Uma foto recente até e muito elogiada de um passeio que fiz com amigos à Angra e Paraty por um fim de semana. Pois sim, descansar é importante.

Nas últimas semanas venho trabalhando como nunca, no sentido de forma de trabalho mesmo, pois quantidade e qualidade ainda podem melhorar bastante. Passei algo entre uma e duas semanas sendo conectado a um servidor no CBPF com GPUs(placas de vídeo) integradas para utilizar. Depois de muito pesquisar e muitas dúvidas sobre comprar um ou não um computador finalmente cheguei na boa realização de conseguir um espacinho de uso numa máquina feita para Redes Neurais. Ela é fruto de um projeto da Petrobras, sempre ela, e fui agraciado com a possibilidade de uso. Com isso uma tarefa que antes eu fazia em alguns dias agora dura não muito mais que duas horas. Não é magia, é tecnologia (Nvidia de penúltima geração).

Acontece que fazer o treinamento de redes neurais é mais conveniente numa placa de vídeos pela forma como ela processa os cálculos. Enquanto um processador faz seus cálculos sequencialmente, um após o outro, a placa de vídeo consegue fazer vários em paralelo. Como se um processador comum fosse fazer um produto matricial e fizesse o produto de cada elemento para depois somar, enquanto a placa de vídeo faz o produto da matriz como um todo numa operação só. Acredito que a comparação é razoável, pois pouco ainda entendo de hardware (e software também). É muito animador entrar numa área nova, uma ferramenta nova, com peso, propriedade e recursos. Comprei mais memória RAM para meu notebook e ainda instalei um SSD para montar uma partição em dual boot Windows e Linux. Está tudo indo muito bem.

A grande questão agora é conseguir ir aprendendo bem tudo que quero e devo aprender, produzindo no projeto paralelo que estou incluso. De repente ler documentações de pacotes de python virou importante, assim como entender alguns conceitos de estatística, probabilidade e afins, que passavam muito longe naquela física (quase) matemática.

A mudança que fiz foi arriscada, o doutorado está no fim e inventei mais um braço nele, mas acho que melhor eu ter essa questão agora do que no futuro. Quanto mais cedo um incômodo ser lidado melhor, antes de crescer e virar algo pior. Resta saber se fiz e estou fazendo uma boa escolha. Os gráficos de acurácia dizem que sim, mas preciso ir mais fundo para ter certeza.

Sair da versão mobile