Sechat

Diários de Doutorado – 002

Sábado 23h e alguns minutos. Esse relato aqui nem era para existir, mas ele existe justamente por eu estar o escrevendo a essa hora e hoje. Ele vai para aqueles que querem fazer coisas extras durante a pós-graduação, ou melhor, aqueles que querem ter outros afazeres na vida além do trabalho usual, que seja um trabalho que no fim você acabe o levando pra casa e pra todos os momentos da sua cabeça.

Por algum motivo aleatório do mundo essas últimas semanas estive debatendo e dando meu depoimento com o trabalho de divulgação científica que faço pela internet (e fora dela também, importante lembrar, mas não nesse ano de covid). Me perguntam das motivações, de como levo a organização, se me atrapalha ou não. E como respondi em algum momento desta Mesa: atrapalha sim e muito até, dependendo de como for tudo. Organizar é importante e a menos que queira levar isso profissionalmente é importante saber dosar o quanto se pode dispender de tempo e energia(?) para essas coisas.

Este site por exemplo, não que eu tenha feito o código base dele e tudo mas cada centímetro dele aqui foi trabalho meu, fora, claro, o trabalho de escrita de colaboradores (amém). Pensar no layout, pensar na usabilidade, pensar na acessibilidade, pensar no design, tudo isso sendo um físico. Quanto mais complexo ele fica menos quero modificar ele para versões novas, pois sei que isso é trabalho. O mesmo vale para o podcast Panoramas e os vídeos no youtube. Agora sim começa o motivo do texto.

Estava há 1h a toa na internet pensando como passaria a última hora do sábado, poderia ler ou podeira jogar um CS:GO, coisa que geralmente faço para passar o tempo na marra, não é nem tanto por prazer, mas um passatempo dos mais bestas. Chegou então nessa estranha hora um e-mail do meu orientador atualizando umas notas de um de nossos trabalhos em conjunto, não muito tempo depois meu colega de grupo respondeu a ele. Enquanto isso refleti que eu havia passado boa parte da minha sexta e boa parte do meu sábado produzindo meu próximo vídeo musical. E o resultado final desse trabalho na verdade foi uma música que no fim não gostei, em termos de qualidade de captação, pegada e afins, coisas a serem corrigidas, a música em si está genial e será mantida. Mas enfim, são pensamentos que estão ocupando minha mente, meu tempo, minha energia, enquanto o doutorado não para. Não é como se eu tivesse uma ‘colher de chá’ por estar fazendo esse trabalho extra. Então sim, atrapalha, no mínimo por uma questão matemática até: toma tempo, algum tempo no mínimo. E é justamente o que tanto sempre me faz desistir de alguns projetos para a internet, o tempo que toma, o trabalho que dará para preparação e por aí vai. E não é nem uma questão de dinheiro, existirá sempre no fim uma parte que depende de você e essa tomará algum tempo e atenção, mesmo que você tenha editores, designers e mais o que for necessário trabalhando para você.

Notas atualizadas enviadas… e o pensamento dominante na minha mente eram modificações musicais na minha música para ser lançada. Acontece. É um equilíbrio que vivo tentando buscar, e, acredite se quiser, depois desse texto todo, acho que finalmente estou perto desse equilíbrio com essa nova leva de vídeos. Inclusive esse texto é um conteúdo afinal. Se você o leu até aqui, claro, e eu não te perdi lá no começo. Um conteúdo feito em 10min. Haja otimização!

Sair da versão mobile