Diários de Doutorado – 001

Bem, eu pensava em fazer esse conteúdo no canal do youtube, mas devido ao fato de que recentemente lancei lá uma ~carreira musical~ vou deixar esse conteúdo mais por aqui, escrito. E que conteúdo é esse ? Apenas uma postagem (ir)regular sobre as andanças da minha vida acadêmica e do meu doutorado e quem sabe mais o que vier pela frente. O objetivo disso é mostrar um pouco da minha realidade simples e complicada. Para retirar aquele glamour que as vezes são colocados e aqueles níveis surreais de produtividade.

Numa outra semana do mês passado eu teria postado um vídeo comentando sobre um processo de contas que me tomou uma semana e no fim apenas me fez perder uma semana pois todas deram errado. Eu tinha algumas opções a seguir, embora no geral o padrão seja usar uma com as tais matrizes de Pauli, isso garante uma simetria de contas que as deixa fáceis de resolver. Eu seguir mais ou menos essa linha mas um pouco diferente. Depois de muitos dias de perturbação e contas desisti, eu estava chegando num resultado feio e não prático e que eu não sabia resolver. Isso por que o resultado padrão eu já teria dificuldades em resolver, mesmo seguindo as notas do meu colega de trabalho que escolheu o caminho certo e já havia obtido um resultado. E ele seguiu certo por ser melhor ? Bem, não sei, mas com certeza por ele já ter feito esse tipo de contas, no mínimo. E assim que é, erros e acertos. Num futuro ao fazer de novo eu já sei que deverei dar preferência por parametrizações com matrizes de Pauli por garantirem que meus elementos serão reais, e muito além disso, por possivelmente garantirem uma bela expressão final. Fui cortar caminho, mas como falou meu orientador, não existe almoço grátis, uma hora você paga o preço.

Mas isso tem dias já, de lá pra cá outros problemas foram surgindo, muito inclusive apenas relacionados ao fato de eu mal conseguir me concentrar parar estudar propriamente os artigos e estar ficando para trás consideravelmente. Hoje então parei, parei e estudei direito um artigo. Não rendeu muito mas aquilo que foi trabalhado foi trabalhado. Pior do que pouco tempo de trabalho é o tempo de trabalho ter sido uma enganação. Um livro que você leu com sono ou com pressa e no fim nada absorveu dele. Hoje li pouco talvez, mas aquilo que li refleti e entendi e talvez não mais esqueça. Aí sim um estudo de verdade. Segui isso lembrando de um dos preceitos da minha associação de kung fu, o número 5, que diz que me “comprometo a ser paciente e humilde galgando um a um dos degraus do conhecimento”. E foi assim, lendo um pouquinho e entendendo cada detalhe que o resto do artigo, mesmo que visto por alto já fazia algum sentido.

Fica abaixo uma indicação musical que me acompanhou hoje nos estudos e na escrita desse texto no “encerramento do expediente” do home office.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.