O Funcionamento de Modelos

Acredito que qualquer pessoa antes de começar a tentar compreender o movimento de partículas carregadas em campos elétricos, ou como esses campos vibram e geram luz. Acho que é necessário tentar entender o que é esse tal conhecimento do mundo físico. Portanto, nesse meu primeiro post aqui, vou começar falando dos modelos científicos. E para isso, vamos imaginar uma situação:

Um relógio de parede é colocado na nossa frente e precisamos saber como ele funciona. Então, como fazer isso ? A opção mais óbvia é abrir o relógio e ver o que tem dentro. Mas não queremos deixar simples demais né ? Portanto, não podemos abrir o relógio, nem tocar nele! Só podemos observar o movimento dos seus ponteiros. Mas uma coisa, vamos nos referir a esse relógio como relógio (a), coisa de físico.

Por favor caro leitor, pense em como você faria isso (Se quiser, escreva um comentário dizendo como você faria).

Para mim, a forma mais simples é olhando na internet. Então, eu vou no google e pesquiso: Como funciona um relógio de parede. Acredito que fuçando um pouco deva ser possível encontrar o esquema de um relógio. E agora? como podemos saber se esse modelo que eu achei na internet funciona da mesma maneira que o relógio (a)? Vamos construir um relógio baseado nesse modelo e ver se os ponteiros se movem da mesma maneira.

Com o relógio pronto, colocamos um do lado do outro, sincronizamos e esperamos. Passam-se alguns minutos, e os dois continuam andando de forma igualzinha. Passam-se horas, sincronizados. Passam um, dois dias e começamos a notar uma leve diferença, o relógio que fizemos começa a ficar um pouco atrasado. É, infelizmente, nós erramos.

Então repetimos o processo, vamos na internet e pesquisamos outro modelo e testamos. Se, de novo, acharmos um erro devemos repetir o processo. E se não acharmos um erro ? Vamos supor que achamos um modelo que resulte em um relógio que seja igual e fique sempre sincronizado com o (a). Se isso acontecer podemos dizer que o relógio (a) funciona de acordo com esse modelo ?

O modelo, que gera um relógio que até um ou dois dias é perfeitamente sincronizado com o (a), pode até parecer inútil. Porém se queremos apenas marcar alguns minutos ou horas, esse modelo serve muito bem. Essa é a escala de funcionamento desse modelo. E o mesmo acontece na física. Por exemplo, as leis de newton são válidas para os acontecimentos corriqueiros, até para lançar foguetes. Porém, se queremos explicar o funcionamento de átomos ou de estrelas as leis de Newton começam a divergir da realidade.

E no caso em que construímos um relógio que sempre fica sincronizado com o (a)? A primeira coisa que devemos perguntar é: o que significa esse “sempre”, porque você não pode ficar até o fim dos tempos olhando os relógios. E mesmo que isso seja verdade, que eles fiquem sincronizados para sempre. Só porque o funcionamento deles é igual, não quer dizer que as partes que os constitui sejam iguais. Eu posso construir duas coisas completamente diferentes que tenham o mesmo resultado. O que eu estou querendo dizer aqui é que a natureza não é obrigada a funcionar de acordo com os modelos, mas os modelos são feitos para reproduzir algum aspecto da natureza.

O objetivo que eu queria alcançar aqui é a compreensão de que modelos científicos não são a natureza, muito menos que são objetos definitivos e válidos para todas as situações. Por exemplo, aquela famosa segunda lei daquele famoso físico Newton, F=ma, só é verdade se a massa do objeto não muda. Se estamos falando de um foguete gastando combustível essa lei não é válida. A frase: “A entropia sempre aumenta”, só é verdadeira para sistemas isolados.

Por fim, vou indicar o livro Filosofia da Ciência de Rubem Alves. Nesse livro, ele trata muito bem sobre a ideia dos modelos e como a ciência moderna é construída.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.