Uma coleção de fracassos para ir rumo ao sucesso!

Um acadêmico de Física

Todo poeta, todo pintor, todo cientista coleciona um número bem maior de fracassos do que sucessos

Bom, antes de mais nada preciso me apresentar, eu sou Matheus Brito aluno de física da FCT-UNESP Faculdade de Ciências e Tecnologia campus de Presidente Prudente-SP. Irei discorrer para vocês um pouco das minhas experiencias acadêmicas no curso de física da Unesp.

Quando eu tinha entre 8 e 12 anos de idade o meu sonho era cursar medicina veterinária devido as condições que contornavam minha vida e o ambiente onde eu vivia: uma fazenda. Durante o ensino fundamental, eu não fui um bom aluno no quesito de comportamento e notas. Eu reprovei na quinta série (hoje atual sexto ano) do ensino básico.

Passando para o ensino médio, eu tive a oportunidade de estar em contato com o PIBIC-EM (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica para Nível Médio) através de dois excelentes professores de física e química da minha unidade escolar. A partir deste momento, estabeleci um contato antecipado com a academia, suas atividades e o meu futuro curso que viria a ser Física. Neste programa, eu desenvolvia artigos científicos, pesquisas cientificas e publicava e apresentava estes trabalhos em eventos de ciência.

Meu primeiro ano do curso de Física

Após concluir o ensino médio, realizei o vestibular para física na FCT-UNESP, não havia passado na primeira chamada do curso, mas passei na segunda. E então as aulas começaram, logo no inicio estava tudo bem, até eu me deparar com as minhas dificuldades em matemática, para mim foi um terror! Eu percebi que sabia absolutamente nada de matemática e o curso de física exige dedicação e que você saiba matemática para ir bem nas disciplinas.

Pensativo e sem saber o que fazer, eu devia tomar alguma atitude ativa. Certo dia (não me recordo qual) estava no ônibus teclando para um amigo e conversa vai, conversa vem e ele me disse estava fazendo um curso de matemática, eu perguntei os detalhes do curso já que meu conhecimento sobre tal era ruim, então ele me disse sobre o KUMON, um instituto de educação que oferece uma disciplina de matemática que envolve desde matemática básica até calculo 2. Conclusão: eu resolvi fazer este curso e ainda continuo.

Mesmo assim, eu continuei estudando as matérias da faculdade, achando que uma hora eu ia aprender numa atitude passiva de aluno… Passando um mês cursando física descobri mais uma coisa, o modo como eu estava estudando não estava sendo eficaz para o melhor desempenho de minhas notas, mudei a forma de estudar, mas fazia poucos exercícios das listas que os professores passavam. Resultado? O primeiro semestre estava se acabando e eu estava mais “perdido do que cego em tiroteio” e acabei reprovando em duas matérias.

No segundo semestre, bateu um desespero total. Eu estava cursando seis disciplinas de segunda a sábado, ainda perdido sem saber como estudar, porém já havia melhorado com meus conhecimento sobre matemática por estar fazendo KUMON, mas mesmo assim a vontade de desistir do curso era grande só que a paixão por ciências, em especifico física, era e é muito maior.

Então conversei com professores, com amigos, professores de outros campus, ouvi outros alunos no inicio do curso. Resumindo: a lição que tirei disso é que se você tem um sonho não deixe-o morrer lute e persista que uma hora as coisas vão melhorando e você vai obtendo sucesso. se apeguem naquilo que te inspira e não desista e que fiquem com essa reflexão abaixo:

Fracassamos quando tentamos fazer algo. Só isso já mostra o valor do fracasso, representando nosso esforço. Não fracassar é bem pior, pois representa a inércia ou, pior, o medo de tentar. Na ciência ou nas artes, não fracassar significa não criar. Todo poeta, todo pintor, todo cientista coleciona um número bem maior de fracassos do que de sucessos. São frases que não funcionam, traços que não convencem, hipóteses que falham. O físico Richard Feynman famosamente disse que cientistas passam a maior parte de seu tempo enchendo a lata de lixo com ideias erradas. Pois é. Mas sem os erros não vamos em frente. O sucesso é filho do fracasso.

autor: Marcelo Gleiser

Comentários

8 comentários em “Uma coleção de fracassos para ir rumo ao sucesso!”
  1. Juliana disse:

    Que testemunho de vida motivador…me encontro em situação bem parecida…

    1. Matheus Brito disse:

      Olá Juliana, fico feliz por ter gostado, o importante é nunca desistir daquilo que almeja…

  2. manduniverso disse:

    Obrigada por compartilhar sua história, muito inspirador! Gostei muito do trecho no final também, uma reflexão necessária!

    1. Matheus Brito disse:

      Fico feliz!

  3. Bibi disse:

    Eu amei muito o seu relato! Obrigado por compartilhar 🥰🥰

  4. Bruna disse:

    Parabéns Brito, belas palavras!
    Desejo que vc conquiste todos os seus objetivos.. Vá em frente e nunca desista 😘
    Todos os esforços serão recompensados.

  5. Zilda disse:

    Maravilhoso!!! Persista sempre, sucesso!!!

  6. Jean Bianchi Moraes disse:

    Brito, já falei pessoalmente e volto a repetir, você é um cara fantástico, para mim sempre foi mais que um aluno, principalmente por sua dedicação. Vai em frente, o mundo é seu!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.