Por que “Sechat” ?

Muitos não se perguntam e simplesmente aceitam esse nome. Muitos acham ser meu sobrenome, seja por me verem com esse termo no meu email de uso diário ou por ver no uso no canal. Fica sempre essa confusão e mistério sobre o significado do nome do site. Usaram tanto isso que a Gabriela me conheceu como “Sechat” e assim fiquei Sechat. Nunca imaginei que fossem me chamar desse nome, ainda mais por ser um nome feminino. Não que seja um problema.

Sechat foi a forma mais fácil de escrever o nome da deusa egípcia do conhecimento. Em inglês é costume usar “Seshat”, vejo hoje que em português há o uso de “Sexate”. E as formas de se escrever certamente são infinitas e provavelmente não dá para se dizer que uma é completamente correta, afinal, é uma escrita ocidental de um nome egípcio antigo.

Mas afinal, de tantos nomes por que esse ? Bem, para quem já ouviu episódios do Panoramas, como o Alternar sabe que boa parte da minha vida eu sempre quis fazer história, como formação. E ainda hoje tomo bastante parte do meu tempo aprendendo sobre história. Menos tempo do que eu realmente queria. Preciso de tempo. Mas sempre me interessei mais pela parte mitológica. Talvez ser arqueólogo. Ansiava por ter The History Channel em casa para ver documentários (mas daí quando finalmente pude assinar ele já era o que se tornou hoje). Mas ainda assim tinha feito minha própria coleção de documentários dos Mesoamericanos. Baixei livros acadêmicos, arquivos de centenas de imagens e trabalhos reais. Egito sempre foi interessante mas nunca como os Mesoamericanos para mim.

Sempre gostei de um certo apelo científico que existe na sociedade Maia (embora também em todas as outras, claro) e por esse motivo queria que meu novo site tivesse algum nome assim. Primeiro porque meu site antigo tinha um nome não tão prático, Informação Acadêmica. E eu queria um nome prático, único e que tivesse a ver com o tema de ciência (esse site começou na verdade apenas com o objetivo de incentivar pessoas a traduzirem legendas de canais gringos, sim, tão banal). Procurei então menções Maias que tivessem relação com ciência. Não achei. Nada que tivesse a ver. Ou então não era um nome simples para se fazer. Tinha que ser prático! Desisti dos mesoamericanos. Procurei novas fontes, pensei nos gregos, mas eram muito modernos e clichês para mim. Então pensei nos egípcios, claro. Procurei o deus do conhecimento, Thoth. Seria esse o nome do site, mas suas variações talvez, Tot, Toth… Não deu, os domínios estavam utilizados já, terrível. E aí descobri, por muito acaso, que deuses egípcios costumam vir em pares. Havia uma deusa do conhecimento. Mas melhor ainda.

Thoth é do deus do conhecimento por possuir em si o conhecimento (sobre tudo ?). Sechat não, ela é a deusa do conhecimento por ter sido quem deu o conhecimento aos humanos, de acordo com a mitologia egípcia. Teoricamente a escrita também veio dela. Deusa das bibliotecas e afins. Não sou eu o especialista, e até mesmo o caráter divino dela é questionado em algumas fontes. Mas é um personagem mitológico desse caráter. E essa sua característica de DAR conhecimento era perfeito para algo de divulgação científica. E assim ficou, domínio livre na versão “sechat”, que era a melhor para nossa língua.

A folha na cabeça dela é uma folha da planta que origina o papiro, tão usado pelas civilizações para guardar e transmitir conhecimento. Mas associam a uma folha de maconha, sim. Já fui até acusado de ser maconheiro no canal apenas por causa do logo que tomei para o site. E os próprios acharam interessante, pois existe um site de domínio quase igual ao meu exceto blog/com, que fala sobre uso de maconha medicinal. O sechat.blog já foi até recomendado por aí como site contendo informações de maconha medicinal. Publicidade gratuita. Bem, era essa a breve história esclarecendo. Resolvi contar por causa dessa última confusão com o site “gêmeo”. Abaixo, Sechat, Seshat, Sexate, Sexete…

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.