Ramificações da Física

Física, Astronomia, Astrofísica, Física Médica… O que afinal é tudo isso ? Por que tem tanta divisão, por que existem tantos cursos diferentes dentro de um mesmo ramo ? Generalizando isso serve para falar de diversos outros cursos e o fenômeno é bem simples, oferta e procura. Entretanto obviamente não se limita apenas a essa necessidade mas até mesmo junto a isso tudo uma linhagem histórica de todo o conhecimento humano.

A astronomia surgiu naturalmente com os humanos percebendo os ciclos do nosso planeta, percebendo que a posição do sol e da lua influenciavam a forma como plantariam, influenciavam quando choveria, quando haveria seca, a partir daí entenderam que entender o céu era entender a Terra, era prever o futuro. Essa revolução foi tão significativa que até mesmo imaginaram que daria para se prever o futuro de casa pessoa, a infelizmente, famosa astrologia. Dado isso a astronomia é uma prática extremamente antiga, muito anterior a qualquer pensamento científico. A ciência observacional anterior mesmo à própria escrita. Ainda hoje muitos astrônomos amadores realizam boas contribuições frente às descobertas astronômicas. É, por natureza, um ramo independente.

Em sequência a tudo isso as universidades então produziram o curso de Bacharel em Física, com suas diversas variações no mundo todo, mas que possuem uma lógica básica de primeiro estruturar o conhecimento das ferramentas matemáticas e então seguir para a especialização em física avançada, por isso, sem medo de exagerar, a primeira metade de um curso de física é como um ciclo básico de engenharia. Mas não se engane, as matérias podem ser as mesmas mas o modo como são tratadas não, ou preferencialmente não. De muitas formas você pode usar as transformadas de Fourier, pode ser com uma visão puramente matemática sem contato com qualquer realidade, apenas malabarismos matemáticos, pode analisar como sinais no contexto de engenharia elétrica/telecomunicações/eletrônica ou pode analisar como um físico, como uma ferramenta de infinitas possibilidades na análise de problemas físicos avançados desde física clássica até as mais avançadas teorias hoje.

background-about-physics_1284-698

Então chegamos na parte onde as coisas se especificam. Já há um século temos a Mecânica Quântica presente no nosso mundo, produzindo tecnologia e tudo mais. Então já é justo termos matérias da mais bem sucedida teoria física até então, a Mecânica Quântica. Temos também teoria eletromagnética avançada, começando nas Equações de Maxwell e chegando à Relatividade Especial, também temos termodinâmica avançada e a reveladora Mecânica Estatística. Mas veja, se você tem interesse na verdade em trabalhar como astrônomo nem todos esses conceitos serão interessantes de aprender, serão apenas coisas a passar em matéria e depois não mais lembrar. O astrônomo pode vir a ter todos esses conhecimentos, e muitas vezes é vital, mas ele também precisa entender da geometria do Espaço, precisa entender modos de utilização de equipamentos de observação, saber métodos computacionais relevantes nas análises, ele é um cientista experimental. Porém se a pessoa tem o interesse em trabalhar com supercondutividade nada disso interessará, a pessoa terá mais interesse nas matérias voltadas para o mundo quântico, técnicas de teoria de campos, ou se for o caso de trabalhar com eles experimentalmente conhecimentos técnicos de experimentos que nada tem a ver com usar telescópios.

Dado esse mundo de complicações os cursos possuem seu currículo básico para a formação de um físico e oferecem cursos optativos de formação mais específica. A famosa relatividade geral de pouca utilidade tem para alguém trabalhando em computação quântica, então não cabe ela ser um curso obrigatório, mas apenas para aqueles interessados. Em experiência pessoal, escolhi optativas voltadas para gravitação e cosmologia, me deixando especializado nessa temática um suficiente, mas eu poderia ter escolhido outras matérias e ter saído como alguém sabido em física de matéria condensada (o que hoje teria sido muito mais útil já que é nesta área que estou). Essas matérias surgem de acordo com a disponibilidade de professores especializados na área no corpo docente da universidade. Porém algumas matérias optativas são muito populares e de repente se vê que são muito escolhidas, muito procuradas, e as vezes coincide com uma alta quantidade de professores/pesquisadores desse ramo no instituto. Digamos que no instituto se tenha 30% de astrofísicos. Ocorre então essa especialização de se criar um curso de astrofísica com o interesse de valorizar a demanda por esse ramo. Porém, se analisar bem muitos desses cursos são praticamente o curso de física sendo que as matérias antes optativas agora são obrigatórias da área específica. Então se você entrou num curso de astrofísica você não optará por fazer matéria de relatividade geral, você será obrigado a fazer ela pelo currículo. Assim ocorre com cursos de física médica, nanotecnologia, etc.

 

O grande ponto positivo disso tudo está no fato de que você desde o começo já tem uma especialização bem definida, isso fará de você um profissional potencialmente melhor nessa área específica, mais especializado. Porém o mesmo pode ser atingido com um curso regular de física com optativas do ramo. Visto também que a real formação profissional é dada na realização de Iniciações Científicas, independentemente do que você esteja cursando. Porém toda especialização é uma forma de alienação. Uma formação mais genérica até certo ponto é benéfica para dar a você uma visão mais abrangente de como tudo ocorre. Também te dará mais possibilidades de escolher realmente o que tem interesse em fazer, visto que pouco sabe um calouro do que realmente quer no curso. A real formação mesmo é da de forma independente, nas iniciações científicas, no mestrado, no doutorado, e não nas matérias que você cursou. Tudo é diferente quando se vê de dentro. Muitas vezes você uma área é interessante mas a forma de trabalho nela não o é, para você.

Não há respostas aqui, mas uma apresentação de uma pergunta que você deve se fazer: o que você realmente que ? Não é por que você gosta de algo que isso deverá virar seu objeto de trabalho.

Guilherme


Quer se manter atualizado ? Assine a newsletter: https://goo.gl/GZrrNe

Apoie o meu trabalho: https://apoia.se/sechat


Um comentário sobre “Ramificações da Física

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s